NOTÍCIA

selecionada

Criança em casa: cuidado redobrado

A pandemia pela qual o mundo está passando em razão da coronavírus (Covid 19)  colocou a maioria da população em isolamento social. Com as crianças em casa por mais tempo, somado ao aumento do uso de álcool para prevenção da doença,  o risco de acidentes por queimaduras aumenta.

Segundo a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), aproximadamente um milhão de pessoas sofre este tipo de acidente por ano no Brasil, sendo que cerca de 77% dos casos acontecem em casa e 40% são com crianças de até 10 anos. Mas, diante de tanta energia e curiosidade dos pequenos, é possível evitar esses incidentes?

De acordo com a cirurgiã pediátrica  Maria Cristina do Vale, membro da SBQ, as crianças de até 3 anos se machucam, principalmente, em acidentes na cozinha de casa, mesmo com a presença de um adulto. “Devemos ficar sempre alertas e tomar algumas medidas de prevenção”, frisa.

A especialista ressalta que, para evitar esse tipo de acidente, é necessário manter as crianças longe da cozinha, principalmente agora, com a liberação do álcool etílico para uso doméstico. “Não deixe as crianças brincarem com o álcool, nem aquele em gel. Para higienizar as mãos, use água e sabão. Se tiver álcool etílico em casa, guarda em lugares onde as crianças não alcancem e não tenha o produto em grande quantidade dentro de casa”, elenca.

Ela pede, ainda, que os adultos mantenham os cabos das panelas para dentro do fogão e evitem andar com líquidos quentes em canecas pela casa ou cozinhar com criança no colo. “Cuidado onde coloca o ferro de passar roupa e tampe as tomadas da casa”, destaca Maria Cristina.

No entanto, se ainda o acidente ocorrer, primeiramente, é necessário identificar o causador da queimadura e o grau da lesão. “Se forem queimaduras por líquidos – que são as mais frequentes -, esfriar o local com água corrente, cobrir com pano seco e levar para o hospital ou entrar em contato com um médico. Na queimadura por chama – normalmente a pessoa queimada corre -, peça para a pessoa deitar e rolar, abafe a chama com um cobertor, jogue água por cima e depois retire as roupas, em seguida, leve para um hospital. Na queimadura elétrica, desligue a força geradora da corrente e leve para o hospital”, orienta a médica da SBQ.

Revistinha em quadrinhos como aliada na prevenção

Em outubro de 2008 foi lançada, com apoio do governo de Minas Gerais, a revista em quadrinhos da Turma da Mônica para prevenção de queimaduras. Ela foi reimpressa em 2012, com tiragem de 50 mil exemplares, por solicitação do cirurgião plástico Paulo Nishimura, que inspirou Mauricio de Sousa a criar o personagem “Dr. Meximuda”.  

Diante de sua importância didática, a revista tem sido um aliado para a SBQ, levando informações relevantes de como prevenir acidentes com queimaduras em crianças. A revista tem quatro histórias, com os principais personagens demonstrando os perigos que existem em situações corriqueiras, dando as orientações de como preveni-las.  Os exemplares são distribuídos gratuitamente em escolas, ambulatórios e hospitais das redes públicas do Brasil.  

A SBQ ainda tem como meta o propósito inicial do médico  Paulo Nishimura, que é inserir no currículo escolar do ensino fundamental nacional uma matéria sobre prevenção de acidentes. 

Parceria com a organização Criança Segura

A SBQ assinou um posicionamento junto com a organização não governamental Criança Segura sobre a liberação da venda de álcool líquido 70% para a população, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em 20 de março de 2020. A comercialização estava suspensa desde 2002. As organizações se posicionaram contrárias a resolução e solicitaram a revogação, para a preservação da vida das crianças e da população em geral.

Fonte: SB Queimaduras

http://sbqueimaduras.org.br/noticia/sbqcovid19–crianca-em-casa-cuidado-redobrado

Outras NOTÍCIAS

Uso indiscriminado de álcool contra o coronavírus aumenta riscos de queimaduras

Queimaduras em Crianças – O que fazer?

8 passos para lavar bem as mãos e prevenir doenças